Querida amiga:

Ficaste intrigada com o meu silêncio habitual durante as reuniões que temos na escola com alguma frequência. Achaste estranho que em certos momentos me pusesse a ler um livro ou a adiantar a correcção de trabalhos dos meus alunos. E fizeste-me a pergunta, à qual agora respondo.

Acho que não tenho o dom da discussão.

Nunca fui capaz de fazer sair a luz de uma discussão. Tenho preferido estudar os assuntos, pedir opiniões, trocar impressões em conversas serenas.

Nas discussões, as pessoas costumam exaltar-se, perdendo assim discernimento. Às vezes, os que discutem dizem coisas muito semelhantes - sem que se perceba, portanto, por que razão estão em oposição - com palavras apenas um pouco diferentes, e não reparam nisso.

Algumas vezes descobri que o assunto que discutiam era apenas um pretexto para falarem, pois, não tendo verdadeiramente amigos, e não tendo ninguém em casa com quem pudessem conversar, sentem necessidade de falar noutras situações.

Ou, então, um pretexto para contrariarem velhos "inimigos", de quem tinham recebido feridas antigas. Há anos, numa escola onde estive, as reuniões de Departamento eram invariavelmente preenchidas por discussões constantes, por vezes azedas, e um dia vim a saber que duas professoras (sempre envolvidas nas discussões) tinham, havia muitos anos, um litígio não resolvido, por causa de um namorado...

Noutras ocasiões, pareceu-me que havia outros interesses pessoais por trás dos argumentos daqueles que discutiam.

Ora, com tudo isto, o assunto em questão acaba por não ser o mais importante para aqueles que se reúnem para o discutir. E é pena, pois muitas vezes trata-se mesmo de assuntos de grande importância, que requerem uma solução urgente.

Também sucede que por vezes se levam a discussão temas que não deviam ser levados, ou que não merecia a pena serem levados.

Perde-se tempo demasiado em reuniões, e por vezes não adianta de muito. De acordo com o que já vi escrito por alguém não sei onde, qualquer objectivo difícil se pode tornar impossível se, para o alcançarmos, realizarmos um número suficiente de reuniões...

A possibilidade de discutirmos os assuntos e de os decidirmos em conjunto é, sem dúvida, uma coisa boa. Mas seria preciso que fôssemos muito melhores - que tivéssemos mais virtudes - para aproveitarmos convenientemente essa possibilidade.

Pelo menos, nunca se devia fazer uma reunião sem que antes os participantes tivessem estudado os assuntos em agenda.

Já me disseste uma vez que estás convencida de que da discussão nasce a luz. E eu não vou discutir isso contigo... Não sou capaz de dizer o mesmo, mas defenderei com unhas e dentes o teu direito de o dizeres.

Aliás - e só para terminar em tom de brincadeira -, se discutisse contigo, decerto perderia: "As batalhas contra mulheres são as únicas que só se ganham fugindo". (Napoleão Bonaparte)

Uma boa semana para ti.

 

 

Paulo Geraldo